segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Resoluções de Ano Novo


Todos os anos, costumo definir mentalmente duas ou três metas para o ano que está a começar. Normalmente, uma delas é, adivinhem só a originalidade, perder peso. Desta vez, decidi escolher 12 metas para 2018, e vou escrevê-las, para não me esquecer de nenhuma e para cumprir todas.

Não necessariamente por esta ordem, em 2018 pretendo:

Reduzir o stress
Normalmente, sou uma pessoa bem tranquila, mas o stress afeta-me sem eu dar conta.
Quero conseguir desligar a cabeça de coisas sem importância.

Conhecer 3 lugares novos
Esta é sempre uma das minhas metas, pois viajar é das minhas coisas preferidas.
Seja em Portugal ou no estrangeiro, em 2018 pretendo adicionar três lugares novos à minha lista de viagens.

Aprender uma nova língua 
Não digo ficar fluente, pois um ano é muito pouco tempo. Mas começar a aprender, praticar e melhorar.

Mudar o meu estilo de vida
Perder o peso que tenho a mais e tornar-me mais saudável.

Tirar um curso de desenho
Algo que sempre quis fazer, pois adoro desenhar e pintar.

Ler um livro por mês
2017 foi um ano em que quase não li! Quero mudar isso em 2018.

Visitar o Porto
Já estive no Porto, mas apenas para apanhar o avião. Quero muito conhecer esta cidade linda!

Desapegar-me de coisas que não uso
Enchemos a nossa vida de coisas materiais e muitas delas nem são necessárias.
Quero ser mais minimalista e menos materialista em 2018.

Tornar-me dadora de sangue
Sempre tive algum medo, mas nem sei bem porquê, nem sou dessas coisas. Este ano, isso vai acabar.

Fazer uma mudança radical na minha vida
Adoro mudar. Ainda não sei bem o que vou mudar em 2018, mas talvez seja o visual!

Completar um desafio de fitness
Já comecei vários mas nunca cheguei a ir até ao fim. Este ano, vou completar um!

Ir mais ao cinema
Eu era aquela pessoa que passava a vida no cinema.
Em 2017, por falta de tempo e de energia, quase nem fui ao cinema.

Espero chegar ao fim de 2018 com a satisfação de ter cumprido todas as minhas metas. São 365 dias e apenas doze metas, não há desculpas! :) E vocês? Que meta querem mesmo alcançar em 2018?

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

O que aprendi em 2017


Nem acredito que faltam apenas dois dias para o fim de 2017. Sei que não sou a única que pensa isto, mas este ano passou a voar. Em menos de nada, passaram 365 dias. Tão depressa. Isto assusta-me, por um lado, pois lembra-me que a vida é tão breve. Mas eu tento não pensar muito nisso, pois gosto de viver um dia de cada vez.

Este mês, gostava de ter escrito mais e ter estado mais presente na blogosfera. Tinha várias ideias e esboços de artigos com o tema do Natal, mas também eu fui apanhada neste terrível surto de gripe, após uns dez anos sem estar doente assim.
Ainda assim, não queria deixar de fazer uma retrospetiva de 2017, pois sinto que este ano cresci muito e que a minha vida mudou muito!


Algumas das coisas que (re)aprendi em 2017:

1. Viver com pouco ou, pelo menos, com menos.
No início deste ano, livrei-me de muitas coisas que ocupavam muito espaço no meu quarto e que não me serviam de nada. Ver o resultado final, com tudo reorganizado e mais livre, foi uma das melhores sensações da minha vida. Libertei-me de tralha que não usava e vendi muita coisa que nunca usei.

2. Não é uma questão de sorte.
Ouvi muitas vezes as frases "Que sorte teres viajado para tal lugar", "Que sorte teres conseguido alcançar determinada meta", "Que sorte teres estagiado no Parlamento Europeu". Nada na vida nos cai do céu. Eu trabalhei muito para pagar cada viagem que fiz, esforcei-me para alcançar as minhas metas, estudei muito para ter boas notas e conseguir fazer o estágio. Tudo se consegue com esforço, não (só) com sorte :) 

3. Aproveitar cada momento.
Sempre tive isto muito presente, mas este ano senti mesmo que o tempo passa verdadeiramente depressa e que, às vezes, não paramos para saborear os momentos, que só acontecem uma vez. Este ano desfrutei muito de pequenos e grandes momentos.

4. Os sonhos realizam-se. 
Esta aprendizagem liga-se muito ao ponto número um. Os sonhos realizam-se quando nos esforçamos mesmo e não desistimos deles. Sem dúvida que o meu momento alto de 2017 foi ter estado três meses no Luxemburgo a fazer o estágio, e isso aconteceu porque não desisti de realizar esse sonho. Da primeira vez que me inscrevi, não fui aceite. Voltei a tentar e consegui! Se não persistirmos é que não conseguimos.

5. Conseguimos adaptar-nos a tudo e superar tudo.
Claro que nem tudo foi maravilhoso em 2017. Tive situações que não estavam nos meus planos, mas acabei por me adaptar a elas e ver o lado bom de cada uma. E sabem que mais? Nem sempre tudo corre como queremos, mas não faz mal, não é assim tão mau.

6. Por vezes, somos a nossa melhor companhia.
Sempre partilhei casa com outras pessoas, por ser mais económico e por gostar de ter companhia. Este ano, durante o meu estágio, vivi completamente sozinha pela primeira vez. E gostei muito, mesmo. Nunca tive medo, mas achava que me ia sentir muito sozinha. Pelo contrário, gostei muito da experiência e senti-me muito bem. Também vivi momentos que gostava de ter partilhado com quem mais gosto, mas mesmo sozinha foi tão bom tê-los vivido.

7. Tudo acontece no momento certo.
Eu era a louca das listas e dos planos. Planeava algumas coisas demasiado rigidamente e ficava triste quando as coisas não aconteciam no tempo em que as planeava. Mas, este ano, acabei por perceber que há coisas que têm o seu momento para acontecerem. Se queremos que elas aconteçam, elas vão acabar por acontecer. Há que persistir e ter paciência. O momento certo há de chegar.

8. Agradecer sempre por tudo.
Como diz a Diana do blog Portuguese Girl With American Dreams, "E se acordássemos hoje com aquilo que agradecemos ontem?". E realmente é verdade, pois nada é garantido. É importante agradecer pelo que temos, seja a Deus, para quem acredite, ou ao Universo, ou aos que estão próximos de nós. 

E vocês? O que vos marcou mais em 2017? O que querem levar para 2018?
Espero que o vosso Natal tenha sido ótimo e desejo-vos um feliz ano novo!